Blog duma gaja... bem... esquisita, estranha, tarada:) Enfim... queer!

2.24.2006

O género que não diz o seu nome

A pessoa assassinada ontem chamava-se Gis e era uma trans M/F do Porto, conhecida em tempos pelos seus espectáculos de travesti. O silenciamento deste dado jornalístico é, só por si, uma morte dentro da morte. Foda-se, nem morta a Gis tem o seu nome. Foda-se, foda-se, foda-se!!!! Que raiva do meu país:(
Por outro lado, há outras coisas a pensar, relacionadas com o abandono em que vivia.
O emprego em espectáculo de travesti, drag, etc, devia ser mais estudado, respeitado, promovido e bem pago pelas comunidades homossexuais, nomeadamente pela indústria de restauração homossexual, que muitas vezes explora aquela que durante muitas décadas parecia ser uma das poucas possibilidades de emprego seguro para pessoas visivelmente transgénero. Devíamos ter a coragem de exigir dos nossos bares condições de trabalho e de contrato dignas para estes profissionais, assim como, ao Estado, a segurança social/reforma a que os artistas de teatro têm direito (nomeadamente muitos que nada descontaram e que hoje têm tratamento de excepção - não concordo totalmente com a excepção mas, a existir, que seja para todos).
Enfim, estamos de luto por bem mais do que a Gis...
Mas estamos de luto pela Gis. Gis. Gis. Gis. Gis. Gis...

1 Comments:

Blogger Grace said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

11:42

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home