Blog duma gaja... bem... esquisita, estranha, tarada:) Enfim... queer!

8.15.2006

Homofobias nossas

Ultimamente tenho conhecido mais casos de homofobia interiorizada (emocional, sexual, social e cultural) do que nunca. Basta sair dos meios dos activismos e de suas influências para nos apercebermos, por via directa ou por relato de terceiros, que a homofobia interiorizada está bem e recomenda-se, infelizmente.
Daí que tenha sido com duplo agrado que reencontrei uma ex-aluna, hoje com 25 anos, com quem estabeleci uma relação de amizade e ajuda quando tinha 16 anos, no sentido de facilitar a aceitação da sua homossexualidade, quando ela dela não tinha consciência. Quando perdemos o contacto, poucos meses após termos começado a conversar, ela ainda era da opinião que não seria lésbica. Hoje soube que pouco depois manteve uma relação lésbica de alguns anos (onde houve dificuldades mútuas de assumir a sexualidade) e hoje está finalmente feliz e assumida numa outra, também já há alguns anos.
Apenas duas vezes na minha vida profissional fiz isto: interpelar directamente alunas que pressinto serem lésbicas e que irão ter muitas dificuldades em assumi-lo; tantas que resolvo arriscar más interpretações ao fazê-lo. Das duas vezes recebi incompreensões, reticências, amizade e agradecimentos após muitos anos. Agradecimentos que não são nada quando comparados com vê-las felizes, sem homofobia interior.
Infelizmente muitas lésbicas não terão a sorte de terem exemplos, quantos mais melhor, de felicidade e orgulho em idades tenras e vivem amores/sociabilidades/interesses incompletos. E pior, aprendem a não saber viver e amar de outra maneira.

3 Comments:

Blogger Grace said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

22:22

 
Blogger antidote said...

Dei aulas 3 anos. No ultimo semestre de aulas que dei, já estava de malas aviadas para a minha nova vida. Estava em pleno processo de come out quer como queer quer como poli, e podia correr riscos, pois já tinha denunciado o contrato, estava saida.
No dia do Orgulho, nesse dia de 1999, tive a coincidencia feliz de ser um dos dias da semana com os maiores blocos de aulas, cerca de 120 alunos no total. Resolvi vestir me de maneira informal (muito camionista) com uma tshirt a dizer "Love Anybody You Want" (mesmo dizer que tenho hoje num anel). Houve muitas alunas que perceberam a mensagem e vieram falar comigo no fim e agradecer. Algumas nao se atreveram a tocar o assunto directamente, mas a comunicacao funcionou no meio das meias palavras e da conversa aparentemente superficial. Admiro te por teres feito o que ainda fazes. Por favor continua. Gostava de ter tido isso quando era miuda. :-)))

13:29

 
Blogger Anabela Rocha said...

Grace: tod@s temos, basta existir.
Antidote: parabéns para ti também. É com esses pequenos gestos que tocamos as pessoas.

15:30

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home