Blog duma gaja... bem... esquisita, estranha, tarada:) Enfim... queer!

6.01.2007

E sobre as empresas. Anos 30!

“... [uma realidade industrial] caracterizada pelo domínio [mais de 50%] dos sectores tradicionais ligados à produção de bens de consumo ou pouco duráveis e com exigências relativamente escassas de tecnologia, especialização e capital e marcada por uma dispersão empresarial, associada a um largo peso do sector artesanal, oficinal e de pequenas empresas mais ou menos familiares, descapitalizadas e de equipamento e e tecnologia rudimentares.”

Isto a par de mecanismos de concentração de capital, apoiados pelo Estado, monopolistas (nas indústrias mais poderosas) e de cartel (nas médias).

“Portugal era totalmente dependente do exterior no tocante a combustíveis líquidos (...) e largamente dependente no que respeitava aos combustíveis sólidos...”

Quem toma a iniciativa industrial são os grupos familiares [muitos feitos no comércio], sendo que a banca investe em jogadas financeiras [o mercado do dinheiro a curto prazo], e não no investimento industrial ou crédito à indústria. “A banca é o coração desta quadratura [comércio internacional, comércio colonial, companhias de navegação e ela própria] (...)”
“Os grandes negócios da banca e do import/export eram controlados há várias “dinastias” por poderosos grupos familiares, liderados, muitas vezes, por destacadas personalidades do mundo político e universitário (...)”
“Eram a elite tradicional da riqueza e do Poder no País...”
“O privilégio do alto dignatário do Estado advinha, antes demais, da natureza do Poder e do seu exercício num regime autoritário e numa sociedade maioritariamente rural (...). Mas decorria também da estrita interdependência, a este nível, entre o pessoal político e os grandes interesses económicos. Não só muito do alto funcionalismo, uma vez interrompido o seu serviço e “sacrifícios” públicos, era chamado a lugares cimeiros da banca e de outros grandes interesses privados (...)”

1 Comments:

Blogger antidote said...

for compreteness only: toda a europa é dependente energeticamente, nos dias de hoje, a quase de 90 e tal por cento. mesmo antigamente e mesmo com o carvao do Ruhr, nao seria muito diferente.

o que passa é que portugal resolveu continuar alegremente dependente em vez de investir na sua propria producao, tendencia dos ultimos 15 anos. numeros do ano passado, portugal tem uma dependencia de 97%, so ultrapassada por outro pais qualquer cujo nome nao me lembro.

abraco (gostei dos ultimos posts).

09:14

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home